Cores Primárias - Dores da Colômbia
Imprimir

Dores da Colômbia

Escrito por Margarida Nepomuceno. Posted in América Latina

revela uma outra faceta da obra de Botero


Masacre de Ciénega, 2001
óleo s/ tela, 158 x 2o1 cm

Até este final de semana, os paulistanos puderam apreciar a mostra itinerante do colombiano Fernando Botero, “Dores da Colômbia” , no Mube, Museu Brasileiro de Escultura, em São Paulo, composta de aquarelas, óleos e desenhos, pertencentes ao acervo do Museu Nacional da Colômbia. As obras, doadas em 2000 pelo artista, já foram expostas em vários países e cumprem uma decisão do Museu de serem exibidas em várias parte do mundo, como um alerta, uma denúncia da situação de violência em que vive a Colômbia. A Mostra anterior foi realizada no Rio de Janeiro, no 2º semestre de 2011.

 

“Dores na Colômbia” revela massacres, como o “Masacre de Ciénega”, de 2001,  e atos de violência, como sequestros, torturas, lágrimas e sangue. São seis aquarelas, 36 desenhos e 25 pinturas que representam um recorte diferenciado da obra do artista colombiano, cuja linguagem plástica recorrente revela ironia, sarcasmo  e visão crítica diante de personagens e situações do cotidiano.

Ausente de seu país de origem há mais de 40 anos, Botero não tem a pretensão de instrumentalizar essa série de trabalhos, criando discursos e incitando mobilizações contra a violência, mesmo porque o artista não é membro ativo da sociedade colombiana nem ocupa cargos políticos. Sua pretensão é dar a conhecer ao mundo, por meio da linguagem que domina, a situação de desespero em que vivem há dezenas de anos milhares de famílias envolvidas em uma brutal realidade.


Masacre en Colombia, 2000
óleo s/ tela, 130 x 103 cm

Fernando Botero nasceu em Medellin, em 1932 e 20 anos após, em 1952 participou pela primeira vez de um salão de artistas colombianos, o IX Salon, oportunidade em que ganhou seu segundo premio de pintura. De 1953 a 1955 viveu em Florença, na Italia e em 1955, retorna à Bogotá para realizar a sua primeira individual. Da Itália vai para o México, onde vive alguns anos e de 1961 em diante radica-se definitivamente em Nova York. Mesmo residindo fora do país, Botero retornou várias vezes a Bogotá, participando de mostra coletivas e recebendo prêmios, chegando a participar na Bienal de Jovens artistas de paris, representando a Colombia. Sua obra passa a receber a chancela de críticos dos EUA e Europa e museus como O Museu de Arte Moderno de Nova York adquire seus quadros.

 

Serviço:
Mostra Fernando Botero
“Dores da Colômbia”
MUBE- Museu Brasileiro da Escultura
Avenida Europa, 218 – Jardim Europa  São Paulo
(0xx)11 2594-2601  www.mube.art.br

imagens: S/A Comunicação